Os benefícios do Chá de Sálvia


Estou postando aqui as qualidades da Sálvia officinalis L , pois é um ótimo expectorante. Como tenho bronquite,  achei bem melhor tomar o chá de sálvia do que comprar um xarope, que possui muita química para disfarçar o gosto, bem como muito açucar. O chá de sálvia é natural e funciona!


Descrição:A sálvia (Salvia officinalis L.) é uma planta medicinal, utilizada como antiespasmódica e estimulante. Como estimulante, atua no coração e nos rins, além de ser sudorípara e tônica. Também é conhecida como salva ou salva-das-boticas. É uma planta pequena, um arbusto que chega, no máximo, a meio metro de altura. Possui muitos ramos e flores azuis. Suas propriedades medicinais, no entanto, residem nas suas folhas, que contém um óleo aromático, além de resinas e bálsamos.
Indicação:Tônico mental, azia, bronquite, catarro, diabete, diarréia, digestivo eficaz, estomatite, gengivite, inflamação, excesso de oleosidade, reumatismo, vômito, tosse, menopausa, faz vir à menstruação.
Partes usadas:Folhas
Como fazer:2 colheres/sopa de erva para um litro de água quando a água alcançar fervura, desligue. Tampe e deixe a solução abafada por cerca de 10 minutos. Em seguida é só coar e beber.
Como beber:Tomar 2 a 3 xícaras ao dia.
Não confundam com a salvia divinorum, pesquisei e observem a diferença no efeito: 




Salvia divinorum chamada também de ska pastora, ska María, hierba María e hierba de los dioses, é a única entre milhares de espécies do gênero Salvia que apresenta efeitos psicoativos (embora suspeite-se que outras espécies possam conter essas propriedades). Originária do México na Sierra Mazateca, é considerada rara, o que torna difícil a sua obtenção. Dificilmente se reproduz por sementes, sendo multiplicada através de cortes enraizados (multiplicação vegetativa).
Seu efeito é extremamente forte, principalmente quando usados extratos potencializados, que nada mais são do que folhas concentradas com a substância psicoativa. É extremamente recomendável que os futuros usuários venham a se informar sobre seus efeitos antes de se aventurarem. Não é uma erva a ser usada em festas, raves ou com multidões, pois exige uma certa discrição da parte do usuário para que ele se sinta à vontade. Não é uma droga recreativa e pode ser traumática quando usada naquelas condições.
Até hoje, não existe confirmação de que seu uso seja prejudicial à saúde, não acarreta vício e seu uso tende a não ser frequente. Contudo, estudos estão sendo feitos in vivo e in vitro, e o uso tradicional está garantido por um conhecimento e histórico de uso centenários.
Tem como pricípio ativo a Salvinorina A, que, no entanto, não se trata de alcaloide, mas de um diterpeno, com ação diferente da maioria das substâncias psicoativas. Pesquisas atuais sobre o efeito da salvinorina no organismo revelaram que esta, além de não ser uma substância que leva à dependência, apresenta propriedades antidepressiva e analgésica, e ainda mostra-se promissora para o desenvolvimento de fármacos para o tratamento da esquizofrenia e dependencia química.
É chamada por alguns como o alucinógeno natural mais potente já descoberto, só perdendo para o LSD, que não é encontrado na natureza (é um semissintético). Por isso, pode conduzir a estados alterados de percepção onde não se recomenda interação com máquinas ou eventos sociais. Daí o uso espiritual étnico entre os Mazatecas e bruxos ancestrais.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Sugiro também que leiam o link: http://www.diariodeumpm.net/2008/03/13/eu-sou-usuario-de-salvia-eita-erva-da-boa/








 Eu tinha esta dúvida e como outros poderiam tê-la, aqui está a diferença! 

3 comentários: